Tire as Sandálias

sandalia_mensagem

Moisés ao ser convocado por Deus para libertar o povo de Israel da opressão e escravidão egípcia, ouve uma voz suave e forte: “Tira as sandálias dos teus pés, porque onde pisa é lugar santo!” (Ex.3:5). Na verdade, essa sempre é a resposta que ouvimos quando oramos ao Senhor “seja feita a Tua vontade”.

É nesse ambiente que nós entramos quando somos salvos: um lugar que se chama ‘Vontade de Deus’.

No hebraico a palavra “salvar” traz a ideia de “abranger o espaço”, “ampliar o lugar”, “estender as tendas”, “criar extensões”, “estar em amplitude”, “desenvolver-se sem impedimento”… e é justamente com essa ideia de salvação que a Teologia da Missão Integral faz um diálogo importantíssimo. O compromisso de Deus para conosco e o nosso compromisso para com Deus é integral, ou seja, abrangente a tudo.

Logo, precisamos fazer uma análise corretamente relacionada com essas três palavras: ‘Vontade’, ‘Salvar’ e ‘Integral’.

Para tentar resumir isso, quero dizer algo que disse numa palestra sobre a “Oração do Senhor”. Mas, por que o “Pai Nosso”? É que nessa oração encontramos as ‘petições-chaves’ para fazermos essa tri-correlação.

Ao longo de nossas vidas, no final de tudo, o mais importante é se vamos ter aprendido a caminhar nesse chão da vontade de Deus. “Seja feita a Tua vontade”.

Isso é o que encanta! Isso é o que inspira: salvação como vontade abrangente de Deus.

A Oração do Senhor é, na verdade, uma oração revolucionária. Não no sentido de rebeldia ou motim, mas revolucionária porque traz a ideia do abandono do sistema mundano (que é egoísta, cruel, diabólico, rebelado e falso) e a ideia do recebimento do sistema do Reino de Deus (que é agradável, bom e perfeito) em nós e a partir de nós. Veja bem, “Vontade de Deus” e “Reino de Deus” são uma coisa só (embora cada expressão necessite carregar seu significado peculiar e objetivo, puramente para compreensões do humano pelo divino).

A oração do Pai Nosso nos ajuda aprender muita coisa em torno disso. Essa oração faz perceber que o propósito de Deus para o homem está em todas as dimensões da vida. Faz-nos lembrar de nossas necessidades espirituais, porém, também as humanas.

Leonardo Boff diz que o Pai Nosso tem a correta articulação, pois “aquilo que Deus uniu – a preocupação por Deus e a preocupação pelas nossas necessidades – ninguém poderá e deverá separar. Não se deverá nunca atraiçoar Deus por causa das precisões terrestres, mas também jamais será legítimo amaldiçoar as limitações no mundo por causa da grandeza da realidade de Deus. Uma e outra constituem matéria de oração, de súplica e louvor. Por isso que consideramos o Pai Nosso como a oração da libertação integral”.

Essa oração, que é um dos principais ensinos de Jesus, nos remete ao ponto culminante da teologia cristã, porque nos revela um mistério: Deus está reconciliando tudo e todos em Si mesmo (1ª Co.15:28).

O propósito de Deus para o homem está para todos os aspectos da vida. A vivência do homem não pode se dar de maneira dividida, de um jeito onde existem várias partes separadas e excluídas umas das outras. A vida deve ter preenchida todas as suas lacunas existentes pela perfeição de Deus. Mas também unidas, todas elas, umas às outras, e não preenchidas a parte uma das outras.

A perfeição de Deus se dá na completude de “tudo e de todos”, num espaço onde qualquer forma de divórcio, separação e desarmonias caiam por terra.

Portanto, que todos nós possamos viver a nossa vida a partir desse pedido citado no ‘Pai Nosso’. Que possamos perceber e se entregar àquilo que Deus nos chama a viver de modo integral, que é o Evangelho todo para o ser humano todo. Pois assim a totalidade do Evangelho completa nosso sentido de vida.

É exatamente com essa concepção de caminho que vivemos de modo a convidar o Senhor a, não só fazer parte de todas as áreas de nossa vida, mas, mais que isso, convidamos Jesus de Nazaré a colocar em ordem todo esse caos de partes soltas em nossa vida.

Porque a harmonia do Evangelho tem a ver com a harmonização total de nossa vida, onde tudo não só pertence a Deus, mas é por Deus imergido.

O “tudo” deve ser re-integrado.

O “todos” deve ser re-conciliado.

Esse é o Caminho. Esse é o jeito de caminhar.

Quando você se der conta disso, ouvirás: “Tira as sandálias dos teus pés, porque o lugar em que se adentrou é Minha Vontade!”

Bruno Castro

EIH.FOTO.BRUNO

About these ads

Publicado em 17 de agosto de 2013, em Teologia para a vida. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: